Dicas de saúde

  • Depilação para homens
    • Depilação para homens
      Por questões de higiene e para agradar à parceira, homens decretam o fim dos pelos!
       
      Bem mais esclarecidos, os homens se renderam ao mundo da cosmética. De acordo com uma pesquisa de mercado realizada pela Nielsen os produtos para este público representam 37% do volume de vendas das categorias de higiene e beleza.
       
      Alguns procedimentos estéticos também caíram no gosto masculino. A depilação, por exemplo.
       
      Danyelle Van Straten, Diretora Executiva da Depyl Action, empresa do ramo que dedica parte de sua estrutura aos homens, lembra que a depilação masculina começou no fisiculturismo, uma vez que os praticantes viam a necessidade da raspar os pelos no tórax e abdômen para mostrar as definições dos músculos.
       
      "Depois os nadadores passaram a retirar o pelo do corpo para aumentar o desempenho físico. A cada dia, mais homens estão procurando nossos serviços, não somente por causa de competições esportivas, mas por questões de higiene e bem-estar e também por conta das reclamações das mulheres, que se sentem incomodadas com os pelos durante o contato físico", diz.
       
      Henrique Randow, 35 anos, jogador de voleibol, se depila desde os 30. Tudo começou por conta de uma tatuagem na perna. "Eu achava que os pelos atrapalhavam, aí minha mulher passou a mão e disse que havia gostado. Aí virou costume, a pele fica mais gostosa, melhora o toque. Até para praticar esporte eu sinto que melhorou", explica.
       
      Henrique conta que não possui muito pelo nos braços, tórax e costas, por isso depila apenas as pernas e a região íntima a cada cinco ou seis semanas. "Não sou neurótico como as mulheres quanto a isso. Se minha esposa diz que está na hora, eu depilo."
       
      Geralmente as áreas mais procuradas na Depyl Action são barba e tórax. A região intima, hoje, também faz sucesso entre o público masculino, principalmente durante o verão, já que o excesso de pelo nessa parte do corpo aumenta a transpiração, causando assaduras. "Pesquisas também indicam que a depilação dessa área é aprovada por 90% do público feminino", lembra Danyelle, comprovando a influência da mulher na decisão dos homens na hora de aparar os pelos.
       
      Na clinica é usada cera morna, à base de mel e própolis. Por ser 100% natural, não há relatos de reações alérgicas em relação à cera. O que acontece é que, quando a pele é muito sensível ao calor ou está desidratada, o pós-depilatório pode ocasionar uma coceira intensa. Neste caso, o recomendado é ingerir bastante líquido e usar hidratante.
       
      Há homens que ainda resistem à depilação, mas dizer que é por causa do dor, definitivamente, não é desculpa. "Existe, talvez, o medo de os amigos tirarem sarro, mas acho que depilar ou não também depende muito da personalidade. Ninguém me zoa, pois sabe qual é a minha postura sobre isso", diz Henrique.
       
      Juliana Falcão (MBPress)
  • Dores nas costas merecem atenção
    • Dores nas costas merecem atenção
      Boa postura ou má postura? Adotar a primeira atitude com disciplina pode significar uma vida melhor, sem dores nas costas.
       
      Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 80% da população ainda irá sofrer do mal pelo menos em alguma fase da vida. Ou seja, em maior ou menor grau, um dia quase todos serão vítimas desse incômodo que compromete a qualidade de vida sob diversos aspectos, entre eles físicos, emocionais e até sociais.
       
      A principal vilã é a lombalgia, um desconforto que afeta a região inferior da coluna vertebral (que vai da última costela até o início dos glúteos) e aparece em destaque no ranking das reclamações nos consultórios.
       
      Qualquer sinal de dor nas costas merece atenção. No entanto, os cuidados devem ser redobrados em duas situações. Primeiro, se as dores vêm acompanhadas do que os médicos chamam de sinais de alerta, como febre ou perda de peso. "Nesses casos, o desconforto indica a presença de algo mais grave - desde má-formação congênita, osteoporose e tumores até hérnia de disco, cálculos renais e distúrbios neurológicos. Portanto, o tratamento varia de acordo com a causa diagnosticada", explica Alexandre Fogaça Cristante, especialista em cirurgia de coluna da Clínica Ortocity.
       
      Outra situação preocupante é quando não há uma razão aparente para o incômodo. "Trata- se da lombalgia mecânico-postural. Os pacientes com este perfil tentam buscar uma razão 'física' para suas lamentações e não encontram nada. Isso porque as dores não estão relacionadas a desvios ou a algum tipo de lesão na coluna, mas a vícios de postura que a deixam sobrecarregada constantemente", esclarece Cristante.
       
      Quando se fala de dor nas costas, convém lembrar que outras doenças também colaboram para causar a dor. "Estão nessa lista as infecções urinárias, as infecções pulmonares, o infarto do miocárdio, o herpes zoster e os tumores ovarianos e prostáticos", afirma o especialista.
       
      Maus hábitos
       
      Posturas incorretas também são responsáveis por distúrbios articulares. "Quem sofre de dor nas costas não se senta nem se levanta corretamente, não dorme em colchão adequado ao seu peso, levanta objetos do chão dobrando a coluna e não os joelhos, estica-se todo para colocar os objetos em prateleiras ou em armários e executa tarefas diárias em má posição", diz Cristante.
       
      Obesidade
       
      Segundo o médico, a cada dia a população se cuida menos (do ponto de vista físico), o que causa obesidade. "O excesso de peso e outras alterações musculares levam a pessoa à sobrecarga dos discos intervertebrais".
       
      Stress e Depressão
       
      Ambos levam à contratura muscular importante. "A depressão não permite o relaxamento voluntário dos músculos levando a compressões importantes nas raízes nervosas que emergem da coluna vertebral", explica o cirurgião.
       
      Tratamento
       
      O tratamento é dividido em duas fases. "Na fase da dor aguda, o médico vai receitar analgésicos e antiinflamatórios, fisioterapia convencional e outros métodos. Depois, é recomendável que o paciente se submeta a tratamento mais prolongado que pode incluir a Reorientação Postural Global (RPG), hidroterapia, condicionamento físico, ajuda de um nutricionista e também de um psicólogo", aconselha Cristante.
       
      Clinica Ortocity
  • Fuja das doenças de inverno
    • Fuja das doenças de inverno
      Em diversas partes do País o friozinho já chegou e o inverno está perto de começar, no próximo dia 21. Junto com as temperaturas mais frias chegam alguns problemas de saúde, normalmente relacionados à alergias e doenças respiratórias, como resfriado, gripe, bronquite, pneumonia, asma e rinite.
       
      Asma e a rinite são as mais comuns, elas ocorrem porque o aumento do ar seco mantém mais partículas de poluição no ar. Algumas ações podem ser feitas para minimizar os problemas. Uma delas é mudar a maneira como a limpeza de casa ou local de trabalho é feita. Não use vassoura ou aspirador de pó. O indicado por especialistas é a utilização de panos úmidos, evitando quando possível o uso de produtos químicos.
       
      Manter o ambiente ventilado também é uma dica. Outro cuidado para evitar a contaminação de doenças virais, como gripes e resfriados, é evitar ambientes fechados com grande aglomeração de pessoas, a exemplo de cinemas e shopping.
       
      O frio chega e é a hora de tirar casacos e blusas de lã do armário, mas isso também pode ajudar o desenvolvimento de doenças. É importante que antes de utilizar as peças, elas sejam lavadas. No caso de quem já tem alergias é importante evitar roupas de crochê ou tricô e dar preferência por peças de algodão. E os edredons são mais recomendados que os cobertores de lã.
       
      Confira mais dicas para fugir dos problemas de saúde que aparecem no inverno:
       
      Fique atenta às variações de temperatura. Em casa, no trabalho e em outros locais fechados, é comum sentir calor. Porém, ao sair destes ambientes, a brusca queda de temperatura pode facilitar a ocorrência de doenças. Agasalhe-se antes de sair;
       
      Mantenha a higiene doméstica, evitando o acúmulo de poeira, que desencadeia diversos problemas alérgicos;
       
      Use soro fisiológico para olhos e narinas, em caso de irritação;
       
      Evite exposição prolongada a ambientes com ar condicionado quente ou frio;
       
      Durma em local arejado e umedecido. Podem ser utilizados umidificadores de ar, toalhas molhadas ou reservatórios com água nos quartos;
       
      As pessoas com alergia devem ficar atentas e evitar o uso de cobertores que soltam pêlos. Substituí-los por mantas de tecido sintético ou algodão pode auxiliar na prevenção de rinites e outros quadros alérgicos;
       
      As alergias também podem ser reduzidas lavando e secando ao sol antes de usar, mantas, cobertores e blusas de lã, que normalmente ficam guardadas por muito tempo em armários. Pacientes com antecedentes como bronquite e rinite costumam ter crises nesta época. É importante procurar um médico e seguir suas recomendações;
       
      Fontes: Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e Secretaria de Saúde da Prefeitura de Santos.